Digite algo para iniciar a pesquisa

Acidente na MT-170 próximo a Rio Branco, mata 3 pessoas...

personCidades access_time09 Dezembro 2017

REPRODUÇÃO – CÁCERES NOTÍCIAS Por Joner Campos –Três pessoas morreram e uma ficou gravemente ferida em um acidente ocorrido às 21h30 de ontem, na MT-170, na chegada...

Roubo de caminhonete em Campo Verde é esclarecido após criminoso...

personPolícia access_time08 Dezembro 2017

O roubo de uma caminhonete ocorrido no município de Campo Verde foi esclarecido pela Polícia Judiciária Civil, na manhã desta sexta-feira (08.12), quando o autor do...

ARAPUTANGA – Veículos apreendidos no pátio da 39ª Ciretran poderão...

personCidades access_time08 Dezembro 2017

A medida anunciada publicada na Imprensa Oficial do Estado, atinge veículos apreendidos nos municípios de Araputanga, Mirassol D' Oeste, Campo Novo dos Parecís e, Sapezal.

Artigo

Princípio da anterioridade da legislatura não se aplica à verba indenizatória

access_time chat_bubble_outlineCuriosidades
FONTE

Mediante lei em sentido estrito, é possível instituir ou majorar o valor da verba indenizatória paga a vereadores em qualquer ano da legislatura vigente, tendo em vista que a essa parcela não se aplica o princípio da anterioridade da legislatura.

Essa foi a resposta do Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso à consulta formulada pela Câmara Municipal de Primavera do Leste acerca da possibilidade de atualização de verba indenizatória e remanejamento de créditos orçamentários para custear o seu pagamento.

O Processo nº 199036/2017 foi julgado na sessão ordinária de quinta-feira (21.09) e relatado pelo conselheiro interino João Batista Camargo.


Na resposta à consulta, o relator destacou que, por caracterizar despesa de caráter continuado, a instituição ou majoração de verba indenizatória deve ser compatível com os artigos 15, 16 e 17 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Em síntese, essa iniciativa deve considerar o impacto financeiro no orçamento da instituição, demonstrar a origem dos recursos que serão utilizados no pagamento e se esse novo custo afetará metas de resultados fiscais. Deve ainda obsevar o limite total de gasto do Legislativo. “A definição dos valores deve nortear-se pelos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, e, pelas possibilidades orçamentária, financeira e fiscal”, diz trecho da consulta.

Conforme o relator, que foi seguido pelos membros do Pleno, também é possível alterar dotações já consignadas no Orçamento Anual das Câmaras Municipais, a fim de dar suporte orçamentário à instituição ou majoração de verba indenizatória paga a vereadores para o exercício parlamentar, contudo, deve ser condicionada à comprovação de que não haverá redução prejudicial de dotações já comprometidas com as despesas normais de manutenção e funcionamento das respectivas Casas Legislativas.

Fonte: TCE/MT

Imagem: Folha de Araputanga