Digite algo para iniciar a pesquisa

CAMPOS DE JÚLIO - Justiça suspende contrato de serviços de...

personGeral access_time21 Setembro 2017

Por CLÊNIA GORETH A Justiça acolheu pedido liminar efetuado pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso e determinou a suspensão de um contrato firmado entre...

ARRECADAÇÃO – Araputanga recebeu R$2,45 milhões de reais em agosto/2017

personCidades access_time21 Setembro 2017

O mês de agosto/17 rendeu, a título de transferências constitucionais para o município de Araputanga R$2.450.275,60 (Dois milhões, quatrocentos e cinquenta mil, duzentos e setenta e...

ARAPUTANGA - Pequeno acidente próximo à Rodoviária

personCidades access_time21 Setembro 2017

Um pequeno acidente entre dois veículos, um Nissan, cor branca, placas de Araputanga QBH 1669 ano e modelo 2014 e um Fiat Uno, cinza, placas JDU...

Artigo

Condenado pagará pela tornozeleira, decide Comissão de Constituição e Justiça

access_time chat_bubble_outlineBrasil
FONTE

Condenados monitorados eletronicamente podem passar a arcar com o custo da tornozeleira. A possibilidade foi aberta por projeto de lei (PLS 310/2016) do senador Paulo Bauer (PSDB-SC), aprovado nesta quarta-feira (13) por unanimidade na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Caso não haja recurso para votação em Plenário, o projeto segue para a Câmara dos Deputados.

A relatora, Simone Tebet (PMDB-MS), apresentou parecer favorável, com duas emendas. Uma estabelece punições para o preso que não pagar, que podem ir de advertência à volta para o regime fechado. A outra emenda permite que o Estado custeie a tornozeleira do condenado comprovadamente sem condições financeiras.

– Sabemos quão caro custa o sistema penitenciário no Brasil. Nada mais justo que os presos que não são de alta periculosidade possam aguardar a sentença dentro de seus domicílios. Só não o fazem porque os estados não têm condições de arcar com esse custo. Com esse projeto singelo temos duplo alcance, econômico e social. O preso vai pagar R$ 350, R$ 400 por mês, garantindo economia aos cofres públicos, diminuindo a superlotação nos presídios e impedindo que se aliciem os presos de menor periculosidade – explicou Simone.

O projeto altera a Lei de Execução Penal (Lei 7.210/1984). Segundo levantamento do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), o principal item utilizado no monitoramento é a tornozeleira eletrônica. Calcula-se que a despesa média mensal por pessoa monitorada oscile entre R$ 167 e R$ 660.

Fonte: Agência Senado