Digite algo para iniciar a pesquisa

DEFAZ: Polícia Civil cumpre buscas e conduções coercitivas em investigações...

personPolícia access_time20 Setembro 2017

 Na operação, os policiais também cumprem seis mandados de conduções coercitivas em desfavor do membros da Prefeitura de Nova Bandeirantes e prestadores de serviços, nas fraudes...

ARAPUTANGA - Bombeamento de água para tratamento parou por problemas...

personCidades access_time20 Setembro 2017

O Transformador da captação de água, do Serviço Municipal de Água e Esgoto, passa por problemas (queimou). A Gestão Municipal de Araputanga, que trabalha para...

MP firma TAC com empresa para concluir rede de captação...

personCidades access_time20 Setembro 2017

Por: Jana Pinheiro - Terça, 19 de set O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Promotoria de Justiça Jauru, firmou Termo de Ajustamento...

Artigo

ADEUS MEDELIN: Brasil não participará de Sul-Americano Escolar na Colômbia

access_time chat_bubble_outlineEsportes
FONTE

Na manhã de hoje (08) pais, técnicos e atletas escolares receberam a infeliz notícia de que este ano o Brasil estará de fora, pela primeira vez desde a criação da competição em 1997, dos 22º Jogos Sul-Americanos Escolares.

O evento acontece entre os dias 11 e 18 de dezembro em Medelín/Colômbia e reúne atletas escolares entre 12 e 14 anos de idade de países como Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Peru, Suriname, Paraguai, Uruguai e Venezuela, além de Bonaire e Guiana que participam como convidados. 

O presidente da CBDE (Confederação Brasileira do Desporto Escolar), Antônio Hora Filho encaminhou hoje um comunicado à todos os participantes lamentando profundamente a não participação brasileira após todos os recursos possíveis terem sido esgotados. “Infelizmente, após sucessivas e infrutíferas tentativas junto ao Ministério do Esporte e a outros possíveis patrocinadores, não conseguimos viabilizar os recursos financeiros suficientes para nos proporcionar uma viagem com tranquilidade e sem nada faltar à delegação (passagens nacionais e internacionais, hospedagem, alimentação, transporte interno, uniformes, seguro de vida, de saúde e de bagagem, despesas emergenciais, etc e etc.)”, disse o presidente.

Na carta, Hora destacou a questão da crise econômica e os entraves burocráticos para acentuar a impossibilidade da ida da delegação brasileira os Jogos Sul-Americanos Escolares: “Podemos garantir que não foi insensibilidade ou falta de vontade de todos a quem recorremos. A atual conjuntura política, junto com o agravamento da crise, que ora enfrentamos, criou-nos barreiras intransponíveis, principalmente com relação à burocracia e aos prazos curtos, que nos foram impostos, para cumprir uma legislação que nos impossibilitou de utilizar os recursos financeiros disponibilizados pelo Ministério do Esporte.”, reforçou o presidente da Instituição.

O Brasil tem no campeonato um histórico de vitórias e títulos conquistados, sendo o último, o de campeão geral da competição, alcançado através do crescente número de medalhas conquistadas nas nove modalidades em que participa (handebol, basquete, futsal, voleibol, judô, karatê, tênis de mesa, xadrez e atletismo).

Somente em 2016, os atletas escolares brasileiros participaram de 09 mundiais através das parcerias entre CBDE, ISF, Fisec e Consude onde foram conquistados títulos inéditos para o país como: o primeiro lugar geral na Gymnasiade, tricampeonato mundial de futsal, vice-campeonato mundial de vôlei feminino além de ranquear o Brasil entre os 10 primeiros lugares no tênis de mesa, basquete 3x3 e badminton. 

Vale destacar que o evento é promovido pelo Consude e Ministros dos Esportes dos países participantes, ou seja, é um evento ligado ao Ministério e que, em anos anteriores contratou a CBDE para executar a participação do Brasil no campeonato tendo em vista sua ligação com o desporto no país.

Com certeza o Brasil perdeu e muito com a não participação no 22º Sul-Americano Escolar e, os resultados apresentados pelos milhares de atletas escolares, federações desportivas escolares, CBDE e todos que lutam pelo desporto escolar servem para mostrar a força que o desporto escolar tem no país e que sua participação no cenário mundial não pode ser descartada ou ficar a mercê de possíveis recursos e entraves burocráticos.
 

Fonte:esporteescolar

MATÉRIA RELACIONADA:

ATLETISMO:
Araputanguense Geisiane Souza convocada para o Sul-americano, na Colômbia