Digite algo para iniciar a pesquisa

ARAPUTANGA – Ponte podre, no Córrego do Bagre, não suportou...

personCidades access_time17 Janeiro 2018

Por - Tony Carlos A Redação da Folha recebeu, ontem (16/ 01), fotos de uma ponte de madeira, que oferecia grande perigo aos condutores de veículos...

6º CR/PMMT - PM apreende adolescente com drogas e procura...

personCidades access_time17 Janeiro 2018

A Policia Militar apreendeu na madrugada desta quarta-feira (17.01) na cidade de Cáceres (a 216 km de Cuiabá), a adolescente K.C.M.M, de 14 anos, com cerca de...

PRECIPITAÇÃO - Intensidade das chuvas tem aumentado nos primeiros quinze...

personCidades access_time15 Janeiro 2018

Nos primeiros quinze dias de 2018 as chuvas que precipitaram sobre Araputanga, foram causa de alagamentos em alguns locais que tradicionalmente acumulam maior número de água...

Artigo

Mato Grosso inicia 2015 com R$ 84 mil na Conta Única

access_time chat_bubble_outlinePolítica
FONTE

 Por: THAISA PIMPÃO
Redação/Secom-MT

O estado de Mato Grosso inicia o ano de 2015 com pouco mais de R$ 84 mil na Conta Única do Estado. A informação é do governador Pedro Taques e do secretário de Estado de Fazenda (Sefaz), Paulo Brustolin, que concederam coletiva de imprensa no Palácio Paiaguás, nesta sexta-feira (02.01), para informar os primeiros dados acessados pela nova administração.  

A Conta Única é a centralização dos recursos disponíveis pelo governo. Segundo Brustolin, para que as verbas das mais diversas áreas fossem adequadamente, o ideal seria que estivessem disponíveis em caixa R$ 500 milhões. 

O governador Pedro Taques, apesar de avaliar como “preocupante” a atual situação financeira, assegura que os serviços essenciais como o de saúde e segurança pública, por exemplo, não serão prejudicados, uma vez que o governo garantirá que estejam em funcionamento. “Houve incapacidade de gestão”, avaliou, atendo-se à divulgação dos dados. 

O secretário de Fazenda ainda informou que nas próximas semanas diversos contratos firmados em 2014 pela administração anterior passarão por auditorias. Um dos pagamentos é da ordem de cerca de R$ 100 milhões pagos a empreiteiras. De acordo com Brustolin, o objetivo é identificar quais empresas receberam os recursos. 

“As auditorias são apenas uma das medidas a serem tomadas para que haja equilíbrio econômico nas contas. Existe um planejamento sendo construído para que tenhamos um conforto, um colchão financeiro. O objetivo é que, ao longo do tempo, consigamos restabelecer uma sanidade adequada no ciclo de caixa do governo e fazer com que o cidadão receba os serviços com qualidade”, completou o chefe da Pasta.

Fonte: Secom/MT