Digite algo para iniciar a pesquisa

Ação conjunta prende sete criminosos e resgata empresária em Cuiabá

personPolícia access_time18 Novembro 2017

A empresária Milene Falcão Eubank foi libertada às 05 horas da manhã deste sábado (18), em uma casa no bairro Centro América, em Cuiabá. A empresária...

ARAPUTANGA – Lago Azul começa a ser preparado para festividades...

personEspeciais access_time16 Novembro 2017

O vereador Ilídio disse que haverá surpresa

COMBATE À CORRUPÇÃO - MPF obtém prisão preventiva de três...

personBrasil access_time16 Novembro 2017

Atendendo a pedido do Ministério Público Federal (MPF), o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) ordenou hoje (16) a prisão preventiva dos deputados estaduais Jorge...

Artigo

Curso de Medicina da Unemat entra em greve por tempo indeterminado

access_time chat_bubble_outlineEducação
FONTE

 assessoria - via Diario de Cáceres

Estudantes de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) entraram em greve por tempo indeterminado nesta quarta-feira, 13, para cobrar melhorias na estrutura do curso. Sem obter avanços, os alunos divulgaram um manifesto pedindo soluções emergenciais. O documento foi assinado por acadêmicos de todos os semestres.

De acordo com os estudantes, a greve é uma medida enérgica, mas necessária, para que as demandas sejam atendidas. As melhorias foram solicitadas diversas vezes pelos alunos desde 2012 à reitoria e Coordenação do Curso, e os estudantes alegam que não há condições de prosseguir com as atividades. 

Nesta quinta-feira, os alunos fizeram um protesto durante a manhã no campus Cidade Universitária. À tarde, a partir das 14h, devem se concentrar no pátio do campus da Cavalhada e seguirão em caminhada em direção à Reitoria.  

A cobertura da greve é feita por meio do blog sosmedicinaunemat.blogspot.com e pelo twitter @sosmedicinaunemat 

Histórico: 

A UNEMAT inaugurou o curso de Medicina em agosto de 2012 com 30 vagas ofertadas semestralmente. Desde o início, ocorreram problemas como ausência de professores, materiais e até dificuldade em entrar nos hospitais para consolidar o aprendizado. Após diversas tentativas de conciliação com os  responsáveis pelo curso e pela Universidade, os discentes de todos os períodos optaram pela greve total do curso com retorno apenas quando suas deficiências forem sanadas. 

fonte: assessoria