Digite algo para iniciar a pesquisa

ARAPUTANGA – Ponte podre, no Córrego do Bagre, não suportou...

personCidades access_time17 Janeiro 2018

Por - Tony Carlos A Redação da Folha recebeu, ontem (16/ 01), fotos de uma ponte de madeira, que oferecia grande perigo aos condutores de veículos...

6º CR/PMMT - PM apreende adolescente com drogas e procura...

personCidades access_time17 Janeiro 2018

A Policia Militar apreendeu na madrugada desta quarta-feira (17.01) na cidade de Cáceres (a 216 km de Cuiabá), a adolescente K.C.M.M, de 14 anos, com cerca de...

PRECIPITAÇÃO - Intensidade das chuvas tem aumentado nos primeiros quinze...

personCidades access_time15 Janeiro 2018

Nos primeiros quinze dias de 2018 as chuvas que precipitaram sobre Araputanga, foram causa de alagamentos em alguns locais que tradicionalmente acumulam maior número de água...

Artigo

Curso de Medicina da Unemat entra em greve por tempo indeterminado

access_time chat_bubble_outlineEducação
FONTE

 assessoria - via Diario de Cáceres

Estudantes de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) entraram em greve por tempo indeterminado nesta quarta-feira, 13, para cobrar melhorias na estrutura do curso. Sem obter avanços, os alunos divulgaram um manifesto pedindo soluções emergenciais. O documento foi assinado por acadêmicos de todos os semestres.

De acordo com os estudantes, a greve é uma medida enérgica, mas necessária, para que as demandas sejam atendidas. As melhorias foram solicitadas diversas vezes pelos alunos desde 2012 à reitoria e Coordenação do Curso, e os estudantes alegam que não há condições de prosseguir com as atividades. 

Nesta quinta-feira, os alunos fizeram um protesto durante a manhã no campus Cidade Universitária. À tarde, a partir das 14h, devem se concentrar no pátio do campus da Cavalhada e seguirão em caminhada em direção à Reitoria.  

A cobertura da greve é feita por meio do blog sosmedicinaunemat.blogspot.com e pelo twitter @sosmedicinaunemat 

Histórico: 

A UNEMAT inaugurou o curso de Medicina em agosto de 2012 com 30 vagas ofertadas semestralmente. Desde o início, ocorreram problemas como ausência de professores, materiais e até dificuldade em entrar nos hospitais para consolidar o aprendizado. Após diversas tentativas de conciliação com os  responsáveis pelo curso e pela Universidade, os discentes de todos os períodos optaram pela greve total do curso com retorno apenas quando suas deficiências forem sanadas. 

fonte: assessoria